A informação a todo momento

GOVERNO DESCARTA ADOTAR O HORÁRIO DE VERÃO NA BAHIA

04/09/2015 18:53

Governo descarta adotar o horário de verão na Bahia

Foto:: Divulgação

Mais uma vez a alegação dos empresários baianos de que é bom para a economia local manter-se em sintonia com o principal centro financeiro do país (São Paulo) não deve mobilizar o governo do estado, que vai mesmo manter a Bahia fora do horário de verão. A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação do governador Rui Costa, que enfrenta, pela primeira vez, a pressão das entidades empresariais em relação à questão.

Ainda assim, o Fórum Empresarial da Bahia, juntamente com as federações da Indústria e Comércio, tentam reverter a decisão, antes do dia 18 de outubro, quando os ponteiros dos relógios nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem ser adiantados em uma hora. O presidente do Fórum Empresarial, Victor Ventin, já teria até entregue ao governador e aos secretários de Turismo, Nelson Pelegrino, e de Desenvolvimento Econômico, Jorge Hereda, uma exposição com 19 razões que sustentariam o pleito do setor produtivo baiano.

A resposta do estado, entretanto, foi enfática: "O governo entende como legítima a cobrança das classes empresariais, assim como das classes trabalhadoras que, por meio dos sindicatos, manifestaram-se, por outro lado, contra a adoção do horário de verão", diz o secretário de Comunicação do estado, André Curvelo.

Impasse

Segundo ele, diante do impasse, o governo optou por acatar a decisão da maioria da população que rejeita o horário especial criado para economizar energia. A medida baseia-se em "pesquisas internas" que teriam apontado que 72% da população é contra a adoção do horário de verão no estado.
"As alegações de sincronia de horários com o centro financeiro do país não fazem sentido num mundo globalizado onde os países mantém relações comerciantes e financeiras uns com os outros, mesmo tendo fusos horários diferentes", alegou a assessoria de Rui Costa.

"Não podemos nos comparar com as barreiras diárias das transações internacionais, pois estas representam menos de 20% das atividades do país que, em sua grande maioria, portanto, é dependente de negócios internos que passam pelo maior centro produtivo do país", rebate Ventin.

Ele entende que o resultado da pesquisa é fruto da falta de informação da população: "Em um dos 19 pontos que apontamos mostramos que o receio das pessoas refere-se à sensação de maior insegurança durante a manhã onde estaria escuro, mas pesquisas também mostram que o nível de luminosidade no período é igual ao do mês de julho, assim como aponta levantamento do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania de que a maioria dos assaltos ocorrem mais no final do dia, justamente quando o trabalhador poderia sair com mais luminosidade do trabalho", diz.

Já o presidente da Federação do Comércio, Carlos Andrade, frisa que, além da falta de sincronia nas relações comerciais e financeiras com o Sudeste, as vendas locais também são prejudicadas. "O dia fica maior, permitindo as pessoas comprarem mais no entardecer", diz. "É uma pena que a população não esteja devidamente informada sobre as vantagens para a Bahia".

 

Formosa News, a informação a todo o momento. Fonte: A Tarde (Acorda cidade).
 

 

Voltar

Pesquisar no site

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode