A informação a todo momento

PETROLINA-PE: MILHARES DE PESSOAS PEDEM A SOLUÇÃO DO CASO BEATRIZ DURANTE MANIFESTO

12/02/2016 16:24

“Somos todos Beatriz!”. Esse foi o grito que os manifestantes entoaram, na noite desta quinta-feira (11), durante mais uma manifestação pela morte da criança Beatriz Angélica Mota. O protesto, que aconteceu em frente ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, centro de Petrolina, reuniu e emocionou familiares, amigos e a população no geral.

Beatriz foi morta com golpes de faca no dia 10 de dezembro de 2015 em uma das dependências da escola. Após 60 dias, o caso segue sem solução e nenhum suspeito de ter cometido o crime foi identificado.

A mãe da criança, Lúcia Mota, que pela primeira vez se pronunciou durante os protestos, visivelmente emocionada, cobrou da direção do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora mais participação na investigação do caso.

Queremos também entender porque o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina não cobra das autoridades uma solução para este problema. Só rumores de demissões, investimentos nisso e naquilo e nada de contribuição real com as investigações. O silêncio do colégio e a demora na conclusão do inquérito policial, tem provocado rumores e boatos de toda ordem, inclusive do crime ser passional, possibilidade que já foi descartada pelos investigadores”, declarou.

Ainda sobre a ausência da escola nas investigações, Lúcia Mota frisou: “A brutalidade aconteceu dentro de uma escola católica com quase noventa anos de tradição na região. A escola é sempre um local em que confiamos os nossos filhos, um local em que sempre esperamos ser seguros para eles. Não foi um crime cometido em uma mata, uma rua, foi dentro de uma escola no centro da cidade com câmeras e ninguém viu nada? Ninguém sabe de nada? Exigimos uma resposta, pois tem uma pessoa, um grupo, que nós não sabemos, mas são muito perigosos e estão soltos, impunes. A minha família foi vítima, a minha filha, quem será o próximo? Não temos suspeitos, não sabemos a motivação para tamanha brutalidade. Não há explicação”.

A mãe de Beatriz também pediu mais atenção do Ministério Público Estadual de Pernambuco e o auxílio da Polícia Federal nas investigações do crime.

Esperamos um pronunciamento do Ministério Público Estadual, não entendemos sua distância do caso, pois, pela circunstância algo grave está colocando em risco toda população de Petrolina e Juazeiro. Queremos saber dos senhores promotores quem está acompanhando o caso e que colaboração tem dado para que o crime seja desvendado. Até agora não temos um pronunciamento sequer dos promotores da Infância e da Juventude de Petrolina. Queremos ajuda da Policia Federal que tem aparato técnico que pode fazer chegar ao responsável desse ato covarde e brutal. O Ministério da Justiça já foi acionado e esperamos que a Polícia Federal também ajude”, pontuou.

Mesmo cobrando uma posição da polícia para que se chegue ao autor do crime, Lucia teceu elogios ao trabalho dos investigadores.

Queremos agradecer, como reconhecimento, ao delegado, Dr. Marceone, aos policias, investigadores e agentes que estão se empenhando como guerreiros com esforços sub-humanos para desvendar esse caso. Mas queremos justiça! Queremos resposta! Queremos paz e que as famílias não passem pelo que estamos passando hoje”, disse.

O protesto foi encerrado com uma homenagem a pequena Beatriz que nesta quinta-feira completaria 8 anos. Em um gesto simbólico a data, o furor dos motores do Moto Clube e o canto de Parabéns, entoado pelos manifestantes com palmas, lembraram a vida da menina, ao tempo em que clamavam por justiça.

javascript:void(0)

Fonte: Alinne Torres / Blog de Geraldo José

 

Clique aqui e confira dicas de como combater o mosquito Aedes Aegypti!

 

Formosa News em defesa do combate ao mosquito Aedes Aegypti

 

Leia mais: https://www.formosanews.com.br/

 

 

Voltar

Pesquisar no site

© 2015 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode